• Mai/2014 – Composição do Exigível Financeiro – Dez 2013
  • Jun/2014 – Cias Abertas da Indústria de Transformação utilizam 4 vezes mais fontes externas do que recursos do BNDES para seu financiamento.
  • Abr/2013 – Governo destrava as concessões em infraestrutura
  • Mai/2013 – Impacto do câmbio afeta mais as Companhias Abertas, mas estas têm maior facilidade de acesso e obtêm custos menores nos mercados de crédito e de dívida corporativa
  • Jun/2013 – As fontes de financiamento atreladas à moeda estrangeira estão sendo utilizadas principalmente pelas companhias abertas com forte concentração em Petrobrás e Vale. Sem essas duas cias o mercado de capitais é a maior fonte de recursos das cias abertas não financeiras
  • Jul/2013 – Com a queda nas taxas de juros, de setembro de 2011 a abril de 2013, os recursos financeiros de entidades não financeiras têm sido dirigidos com mais intensidade para títulos de dívida privada (de captação corporativa ou captação bancária) e operações compromissadas dos fundos de investimento com os bancos
  • Ago/2013 – O custo de capital de terceiros estimado pela taxa agregada das debêntures no mercado secundário sofreu elevação recente por causa da expectativa de subida da taxa de juros SELIC, ainda assim essa taxa é substancialmente inferior à taxa de recursos livres PJ do sistema bancário
  • Set/2013 – Dados obtidos com a consolidação de balanços mostram a predominância de recursos próprios como origem dos recursos destinados ao financiamento de investimentos, porém o acesso a mercados de dívida é fator da maior importância para viabilizar o financiamento do investimento das empresas.
  • Out/2013 – A taxa de custo de capital próprio agora utilizada nas concessões rodoviárias pelo Governo é semelhante à estimativa do Centro de Estudos do IBMEC da taxa de retorno requerida por acionistas para investirem em companhias abertas de concessão rodoviária listadas na BM&FBOVESPA, ao mesmo tempo em que o custo nominal da divida utilizado se aproxima do observado no mercado de debêntures